sexta-feira, Dezembro 28, 2007

Polvinha, Porvinha, mosquito pólvora e marium.

Polvinha, Porvinha, mosquito pólvora e marium.

Em um acampamento na Barra do Una descobri quanto feroz e agressiva é a picada deste inseto que mede no Maximo 2mm, e também descobri que tenho uma forte alergia a eles.
Mas descobri algumas coisas interessantes sobre as porvinhas.
Normalmente elas atacam nas noites Claras como a Luz cheia, repelente não adianta e as barracas devem ter as telas muito pequenos os furos de entrada de ar se não eles entram.

Mas ai segue um artigo especifico sobre ele.


Um inseto que mede entre um e dois milímetros está preocupando as autoridades ambientais de Joinville e Jaraguá do Sul, no nordeste de Santa Catarina: os maruins. As moscas pequenas, assim chamadas na língua tupi-gurarani, estão em desequilíbrio na natureza. Nos últimos anos, a espécie culicoides paraensis, que se reproduz em ambientes quentes, aumentou sua incidência e agora chega a incomodar a população da região com 80 picadas por hora, ou seja: 16 vezes mais do que a Organização Mundial de Saúde considera suportável. Com dias mais calorentos no Sul, já tem pesquisadores achando que as mudanças climáticas estão mostrando as caras.

A reclamação dos moradores contra o maruim é antiga e motivou uma pesquisa iniciada neste mês que pretende controlar a população em desequilíbrio em Joinville. Segundo o biólogo paranaense Luiz Américo de Souza, que lidera os estudos na Fundação Municipal de Desenvolvimento Rural 25 de Julho, o inseto tem uma picada ardida e transmite enfermidades. Uma das doenças recorrentes é a língua azul, que acomete animais como ovinos, caprinos e bovinos. Além disso, o maruim pode causar oropouche, uma doença que provoca sintomas semelhantes aos da meningite. Mas os problemas mais comuns são as dermatites, infecções localizadas causadas pela intensa coceira das picadas.

A pesquisa da Fundação 25 de Julho está mais adiantada no município de Jaraguá do Sul, onde o biólogo Ulises Sebastian Sternheim descobriu a associação do bichinho, endêmico da Mata Atlântica, com o cultivo de bananas. “Sabemos que, no ambiente do bananal, ele usa o cepo da bananeira em apodrecimento para se reproduzir. As próximas etapas da pesquisa são os testes de alternativas de controle”, conta o biólogo.

Maruins têm um ciclo de vida de aproximadamente 50 dias e podem ser encontrados também nos manguezais. Eles se alimentam de matéria orgânica em decomposição e gostam de ambientes quentes e úmidos. Segundo Souza, em Joinville os maruins encontram condições ideais para se reproduzirem: talos de bananas cortados.

Da banana para casa

“Tanto na área rural como na urbana, produtores de bananas não têm o hábito de cortar o talo rente ao chão. A conseqüência é de que aquele talo se tornará um ambiente perfeito para a proliferação do mosquito”, explica Souza. O problema sempre existiu, o agricultor sempre conviveu com essa população em “desequilíbrio”, mas, para Souza, o problema só se tornou objeto de atenção quando os insetos começaram a atacar a população urbana.

As escolas rurais foram as primeiras a reclamar. Notícias de aulas freqüentemente interrompidas são comuns na região. “Os maruins não perdoam”, brinca Souza, que relata também vários casos de recantos de lazer na área rural cujo número de freqüentadores está diminuindo consideravelmente. Uma das prováveis causas desse desequilíbrio é a ausência de geadas, ou seja, com mais calor, mais maruins vão se proliferar. “Acredito que o frio é um dos predadores naturais do inseto”, afirma Souza.

Para estudar o inseto, os pesquisadores coletam os maruins em armadilhas, como o que eles chamam de caixas de eclosão. Elas já foram espalhadas em cinco pontos de Joinville. A cada dois dias a equipe do projeto recolhe os animais que ficam em recipiente com álcool e posteriormente os examinam em laboratório. Há mais de um ano, Souza vem armazenando as coletas e assim que os recursos forem liberados serão encaminhados para análise à Fundação Osvaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

Por falta de pesquisa na área, os repelentes naturais ou industrializados estão se mostrando ineficientes. Souza explica que é comum encontrar em Joinville residências com telas nas portas e janelas, bem com nas escolas. Para ele, uma alternativa também é alertar a população sobre o descontrole: “As pessoas têm que começar a perceber que as conseqüências dos problemas climáticos do planeta nos afetam diretamente”, alerta.

* Eunice Venturi é jornalista em Santa Catarina

40 Comments:

Anonymous Anónimo said...

BOTUCATU-SP ESTA PESTIADO DESSE MOSQUITO NA ÉPOCA DE ESTIAGEM, PRINCIPALMENTE NA FAZENDA LAGEADO-UNESP, NÃO DÁ PRA AGUENTAR AS PICADAS O DIA INTEIRO, A GENTE PERDE O TESÃO DE TRABALHAR

11:05 da tarde  
Blogger zandreli said...

Olá, sou acadêmica de veterinária e este artigo me ajudou muito para um trabalho, e concondo q estão faltando pesquisas para este parasita. PARABÉNS!

1:12 da tarde  
Anonymous Geruza Ferrari said...

Olá, moro em Cachoeiro de Itapemirim-ES, e não aguento mais este mosquitinho que dá um trabalhão. Meu filho tem alergia e está todo marcado nas pernas e braços. Inseticidas não resolvem. Estou no momento pesquisando na net sobre esta praga, mas não há muita informação sobre o assunto. Gostaria muito, muito mesmo, que algum cientista, algum pesquisador, estudasse mais sobre como controlarmos essa epidemia. Concordo muitíssimo com a veterinária Zandreli. Que tal Zandreli, você mesma consiga resolver essa questão. Vou dar uma dica da minha mãe: ela faz um remédio caseiro de uma erva denominada ERVA-BOTÃO, que colocada no álcool e após 2 dias passá-la na picada de insetos e até mesmo em picadas de cobras peçonhentas. Quem sabe, com essa dica da minha mãe, vocês que estão lendo esse comentário, não conseguem resolver esse problema. Abraços. Gê

2:41 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá pessoal!!!!! meu nome é Adilson e me interesso muito por essa pesquisa, pois minha tia tem um sitio no interior de goias,e lá tambem tem o tal "porvinha" que é como o chamamos. O nosso porvinha aqui e realmente parecido com um grao de polvora ou seja e quaze invisivel,e ele infesta no tempo chuvoso ou seja, de novembro à março,e desaparece no tempo de estiagem.Não sei se vai ajudar mas la sempre teve bananal.Torço pra que encontrem uma soluçao para esse problema o mais rapido possivel.

11:08 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá pessoal este mosquitinho voa baixo e ataca mais as pernas das pessoas e os pés. Aqui em Goiás eles começam a ferroar a partir das 9 horas e vai até escurecer. Um dos meios da gente se livrar deles é passar nas pernas e pés a essência de CITRONELA misturada num óleo fino ou num creme de pele. Pode-se também misturar a CITRONELA no desodorante spray e borrifar nos membros inferiores. Notei tmbém que quando lavamos o cimento da casa (o chão) e jogamos água de Q.BOA eles desaparecem por algumas horas. O que deixo aqui complementa o que já foi dito que, por sinal, está bastante correto sobre o mosquitinho miniatura que ferroa tão ardido e que deixa a gente inquieta. Parabéns aos pesquisadores. Continuem, os goianos agradecem. Sou a tia do Adilson.

2:24 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Sou de Minas e aqui também tem deste mosquito que chamamos de "mosquito pólvora". Também gostaria de saber como fazer o controle deste inseto. Já usei o óleo de citronela - no início funciona. Ao passar, ficávamos horas sem ser incomodado, mas com o passar das semanas, a citronela funciona por poucos minutos apenas.

12:16 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Olá, muito obrigado pela informação, moro no Norte do Paraná e minha filha foi picada por o tal mosquito e não sarava, somente quando descobrimos este tal mosquito que pudemos trata-la. Parabéns pelo post e blog.

6:54 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

sou de rondonia aqui tambem tem muita polvinha como fazer para afastar essas pragas

1:40 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Sei bem como é o ataque deles, fui acampar e em menos de 45 min, fui atacada com mais de 330 picadas, tenho até fotos p/ comprovar, deformada total!!!!

12:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Oi sou Paulo Henrique e moro na Região do Vale do Ribeira,mais preciso na cidade de Cajati-SP..na área rural, a 2 anos esta um inferno desses porvinhas...ate mesmo por ser uma região produtora de banana...

11:07 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Olá a todos! Conheço ,"na pele" o tal do Maruim, nome dado a esse mosquito no Pará. Sou alérgico a sua ferrada tão incomoda e ardida que pode até levar semanas pra sarar, no qual deixa uma marca escurecida. Na minha região o clima é quente e humido, ideal para a proliferação desta praga. Desde criança aprendi a evitar áreas de campo e mata, areia e igarapés pois nesses locais a incidência é maior, mas isso não significa que na minha própria casa esteja protegido, em muitas vezes na sala de estar e no quarto o "danado" me encontra!!!!! Deixo de viajar para certos locais para evitar o maldito encontro, uso repelente, meia e calça para evitar as doloras ferradas e sua inflamação posterior... Quem souber de uma forma de acabar ou até mesmo afugentar o "Maruim" me avise: jorgepeixoto2004@yahoo.com.br

12:15 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

BOA NOITE ESTE MOSQUITO E UM VERDADEIDO SUGA SUGA,MAIS DEPOIS QUE ELE PICA,NÃO SEI SE PERCEBERÃO ELE MORRE LOGO,MAIS VEM OUTROS LOGO ATRAS AQUI EM BERTIOGA,SP OS MANGUES ESTÃO REPRETOS DESTE MOSQUITO E ESTÃO DEIXANDO TODO MUNDO SEM SABER O QUE FAZER A NÃO SER PASSAR O OLEO DE CITRONELA,MUITO CARO E POUCO OLEO,MINHA ESPOSA FOI PICADO PELO PORVINHA ,QUE AQUI NÓS OS CHAMAMOS A PERNA DE MINHA ESPOSA ESTA COMO SE FOSSE UM CAROSO DE MANGA MEDIO SECA E ENRRUGADA,NÃO SEI MAIS O QUE FAZER POIS OS DEMARTOLOGISTA SÓ RECEITA REMEDIO ANTI ALEGICO,QUE NÃO ADIANTA DE NADA SE SABERE DE UM REMEDIO ME PASSE POR ESTE PORTAL

8:45 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

pelo amor de deus alguem me ajude não aguento mais tanta coceira e tá espalhando se tiver algo como chá,remedio caseiro mande pra mim meu imail é dianaegu@hotmail.com

8:33 da tarde  
Anonymous diana said...

me ajudem se tiver um remedio pra essa mordida de mosquito maldita me informem imail dianaegu@hotmail.com

8:38 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá a todos.. Meu nome é josberto moro no interior do ceará e aqui em minha região passo pela mesma situação de vcs, não aguentamos mais tanto polvinha está insuportável estas pragas! Se vcs tiveram alguma resposta de como combater este mosquito por favor me ajudem também.josbertoribeiro@hotmmail.com

8:32 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Me ajudem por favor estou passando pela mesma situaçã que vcs, se tiverem alguma solução para o combate a essas pragas me mandem um imail! josbertoribeiro@hotmail.com

8:41 da manhã  
Anonymous Auzenir said...

Olá.
por acaso passei numa picada o que tinha na mâo: gelo. E depois de alguns minutos parou de coçar e não voltou a coçar. É o que tenho feito agora; passo uma pedrinha de gelo durante um ou dois minutos 9até derreter...)

8:53 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Moro em Paranapanema (SP). Tb vivo atormentada com esses mosquitos. Por acaso, acabei passando na picada o que tinha na mão no momento: uma pedrinha de gelo. Pra meu espanto a coceira passou, depois de uns dois minutos e não voltou a coçar... Então tenho usado gelo nas picadas e tem resolvido. Acredite se quiser....

8:57 da tarde  
Blogger Auzenir said...

Moro em Paranapanema SP e tb estou atormentada pelas picadas deste mosquitinho. Por acaso, passei na picada o que tinha na mão no momento: uma pedra de gelo. Após uns dois minutos passando o gelo a coceira passou e NÃO VOLTOU MAIS. Acredite se quiser. E é isso que tem me aliviado. Espero ter sido útil.

9:02 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

tenho um terreno em juquia e todas as vezes que vou pra lá, volto muito picadas pelas porvinhas socorro

12:03 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

ola,esse mosquitinho acabou com minhas pernas fui passear em jacupiranga interior de s.paulo e voltei com as pernas cheia de feridas agora seco e esta cheia de manchas brancas ,repelente não ajudou muito e nem o anti alergico vou voltar la de novo e ja estou pensando alguem sabe de outra maneira de me previnir me ajudem meu imail é sclaudete2011@hotmail.com

11:59 da manhã  
Blogger sidney said...

Ola gente, aqui em santa cruz da serra-D.de Caxias-RJ, tbm não fica para tras, esta região tem muita plantação de bananas e fica perto da mata atlântica, quanto mais calor mais este mosquitinhos atacam, e não tem hora, as vezes a noite dá uma melhorada, mas logo ao amanhecer o maldito aparece, e o incrível, estamos perto da FIOCRUZ-RIO DE JANEIRO-RJ, mas parece que os cientista ainda não conseguiram vencer este pequenino

Sidney-D.Caxias-RJ

2:34 da tarde  
Anonymous Luana Cristina said...

Olá, meu nome é Luana e sou de Itariri-SP. Fica no Vale do Ribeira, região conhecida como a terra da banana. Esses mosquitinhos conhecidos aqui como "porvinha", estão deixando todos loucos. Não tem condições de ir para o sitio, e na cidade também já está ficando impossível. Remédios não estão mais funcionando, pelo contrário, acho que estão deixando os "porvinhas" mais resistentes. Por favor, alguém tem que achar uma solução eficaz para esses mosquitinhos insuportáveis....

6:08 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

ola para todos,estamos passando o maior aperto com os maruis aqui em guarapari no es e depois de muito pesquisar na net,descobri que misturar oleo de citronenala com qualquer creme hidratante e passar na pele e muito eficas contra a mordida desse terrivel inseto vale a pena lembrar que o oleo de citronela e muito concentrado e por isso dve ser bem diluido e usado apenas em pequena quantidade na mistura.
vale apena testar funciona mesmo foi o unico repelente que realmente funcionou aqui em casa

6:09 da manhã  
Blogger lulu said...

Ola a todos! sou de sao paulo e nunca havia ouvido falar do tal porvinha ate que vim morar em um sitio no vale do ribeira. Realmente é um mosquito infernal, faz um ano que moro aqui e estou com o corpo todo marcado das picadas. Sofri muito até que uma amiga minha que é naturista me aconselhou que comesse arroz integral, pois de alguma forma o arroz integral faz com que o nosso suor tenha um olor insuportavel para qualquer tipo de insetos, no começo nao foi eficaz, mas depois de um tempo começou a surtir efeito e agora nenhum inseto me incomoda mais. O arroz integral é mais caro, porem mais saudavel, e para mim funcionou como repelente

10:05 da tarde  
Blogger Dra. Lucila said...

Estive em Maresias em 29out2011, sou Enfermeira e mesmo assim estou com problemas das picadas dessa inseto. Noites em claro, desconforto e prurido intenso. Este artigo, pude entender melhor o que sinto. LUCILA MEDEIROS

8:32 da manhã  
Blogger Diogo P. P. said...

pois é pessoal, sou gaúcho e aqui também está cheio. existe um riacho, e mesmo com predadores naturais que são os sapos, não dão conta. São quase núvens, enchames que as vezes se juntam para rodearem no céu. Eu expremo a área para tirar o veneno, assim quase nao coça mais, apesar de ficar um vergão tirando ou não o veneno, se não tirar é coceira forte, pois sou um pouco alérgico também. Vamos continuar pesquisando e motivando-nos para achar uma solução. Curioso é que não existem mosquitos, mas apenas os "polvinhas" por aqui na área rural.

12:51 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Eu sei q esse blog é moderado e que voce não vai postr meu comentario, mas vai ler com certeza.

Voce é um incompetente mesmo, só sabe postar e postar, surgiram tantas perguntas após seu post e voce não deu se quer uma resposta!
Voce não é diferente do mosquito abordadono tópico, éum suga suga que só quer atenção para seu blog, pois ajudar est longe de seu conhecimento.

11:21 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Também tenho alergia, corça muito, forma vergões e depois umas bolhinhas de água, eu passo repelente, porém existe lugares que nem os repelentes servem. Também queria saber algo caseiro para usar.

10:10 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Eu moro na Floroda nos Estados Unidos e eu to sofrendo com as picada.Uma mulher me disse que amonia e bom para passar aqui tem um produto que limpa vidros eu passei e a coceira passou...nao e bom pra pele mas eu ja nao aguento mais.

10:25 da tarde  
Anonymous Eliane Almeida said...

Meu nome é Eliane Almeida moro em Pedro de Toledo,que fica no Vale do Ribeira e aqui não estamos mais suportando esse insetos,pois aqui tudo começou depois que deixaram de jogar veneno e começaram a usar adubo orgânicos nos bananais,peço que Deus interceda por todos nos...

9:53 da tarde  
Blogger Imóveis Virtuais said...

No Brasil todo? Acho que o tal do maruim vai acabar com a raça humana - conforme disse o amigo acima. Aqui na Bahia tem de 'montão'. Beira de rio com mangue principalmente. Não temos plantações de banana por perto mas o maruim vem em toda lua cheia e toda lua nova. Isso na rigião de Nova Viçoa. Em Belmonte, mais pra cima, tem muito também e é mais terrível ainda...

1:59 da tarde  
Blogger Imóveis Virtuais said...

Uma ocasião li em um jornal que no estado do Rio, onde estavam fazendo um Hotel mediterranê, parece que na região de Rio Bonito, conseguiram dominar a fera com pulverização... se for verdade e se alguém souber me avise, grato:

2:01 da tarde  
Anonymous Sergio leandro said...

Ola pessoal aqui entrejuquia e miracatu esse mosquito polvora ataca todos os dias,se elegostar do seu sangue .do meu ele gostou.omelhor remedio e usar roupas no corpo inteiro mesmo assim com esse calor.turiba

8:04 da manhã  
Anonymous Sergio leandro said...

Aqui nA baixada.cubatao e guaruja nao e todos os dias que tem os mosquito polvora mais em juquia e todos os dias o melhor remedio e roupas longa nesse calor mesmo.

8:33 da manhã  
Blogger Marta Maria said...

Meu nome é Marta, moro em Caxambu, sul de Minas Gerais e sou altamente alérgica à picada deste minúsculo inseto, conhecido na minha região como "porvinha". É terrível sua picada. Meu cachorro fox-paulistinha também tem problemas com eles. Uso o repelente OFF e estou atras da planta citronela para plantar no meu jardim e assim diminuir a proliferação destes pestinhas. Boa sorte aos pesquisadores, que buscam solução para este problema de saúde pública.

2:22 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá pessoal com relação a coceira que surge apôs a picada do porvinha experimentem passar a casca da banana, mas aquela parte branca que fica em contato com a fruta, em instantes a coceira desaparece, quem me ensinou foi um pescador, comigo funcionou.

8:36 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Olá, eu tenho alergia a este mosquito e assim que começo a se coçar no outro dia o lugar onde eu cosei amanhece com bolha de pus. E doe muito o lugar dependendo de quantas bolhas eu tenho eu posso até ficar com febre e dor de cabeça intensa fora a dor no local que fica.

6:02 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Moro em Registro Vale do Ribeira, e aqui tbm esse maldito mosquito não deixa ninguém em paz, se alguém souber de um modo eficaz para acabar com essa praga ou minimizar, por favor compartlhe conosco!

1:27 da tarde  
Blogger Pelada Amigos PMA said...

PESSOAL, PRECISO DE AJUDA... NÃO DAR MAIS PRA VIVER COM ESSES MARUINS. ENCONTREI ISSO NA INTERNET E NÃO SEI SE É VERDADE (DICAS ECOLÓGICAS

Com um pouco de conhecimento sobre a natureza, o combate a certos tipos de pragas pode ser feito sem a necessidade de contratar empresas especializadas. Confira as dicas da ambientalista Ana Chen sobre como acabar com ratos e muriçocas que possam aparecer em sua casa.

RATOS: Usar folhas de arruda espalhadas pela casa.

MARUIM: Espalhar hortelã da folha graúda ao redor da casa.

MURIÇOCA: Mesmo procedimento do combate ao maruim, mas com o uso de citronela.

SOCORRO - PRECISO DE AJUDA.

Segue o contato: leonardouvv@hotmail.com

2:39 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Google
 

Get your own Chat Box! Go Large!
No blog do Jaime Vicentini Voce é o visitante

Meu site valorR$5,842.24